PUBLICADO EM 17/08/2018

        

Criminalização do aborto

 

 

Desde o término da Inquisição sabemos o que é matéria da jurisdição estatal. Em outras palavras, que tipos de comportamento o Estado pode impor às pessoas. Custou muito, causou muito sofrimento, descobrir que a pessoa humana tem fins próprios, para cuja proteção se erige o Estado; que ela está, por sua transcendência, acima do Estado, e que a essência da democracia consiste em pôr limites ao poder do Estado. Ou seja: descobrir a diferença entre a dimensão da moral e a dimensão do Direito.

A moral diz respeito às opções fundamentais, aos fins que a pessoa escolhe por si mesma, concernentes à sua concepção de vida, ao seu aperfeiçoamento e realização como ser humano. Resumindo: ela diz respeito à esfera da liberdade. A uma esfera impenetrável pelo Estado, na qual a pessoa responde perante sua própria consciência.

A distinção já estava lá quando Jesus, salvando a adúltera da lapidação, lhe diz: “vai e não peques mais”. E aos lapidadores (no que se incluem os incineradores do próximo): “aquele que não tiver pecado, atire a primeira pedra”.

Se fosse possível assinalar a data em que essa esfera de liberdade começou a ser reconhecida, precisaríamos recuar talvez a Spinoza (1632-1677) e a Beccaria (1738-1794), isto é, à institucionalização do liberalismo (a doutrina das liberdades). Especificamente, a partir de quando se generalizou o entendimento de que não há crime sem um dano concreto (isto é, aferível) a outrem (aí incluídos os crimes de perigo, em que se assume o risco de causar o dano).  

Entretanto, nem todo ato danoso é criminalizável. Nem todo ilícito é um crime, e na decisão que criminaliza ressaltam elementos de conveniência e oportunidade, sobretudo quanto à eficácia da sanção aplicável. Shakespeare tangencia esse tema no “O mercador de Veneza”: Shylock, como credor, via-se no direito de arrancar um naco de carne da perna do seu devedor.
Se me perguntarem se sou contra o aborto, responderei sim. Somos responsáveis pelo futuro, não só pelo meio ambiente e pelos conhecimentos que deixaremos às gerações futuras, mas pela própria existência das gerações futuras.

Entretanto, se me perguntarem se sou contra a criminalização do aborto também responderei sim. Porque ela é inútil para o seu alegado propósito. Em outras palavras: criminalizar o aborto não é a proteção adequada, necessária e suficiente à vida do nascituro. Exemplo: em Portugal, onde a interrupção da gravidez é permitida nas dez primeiras semanas (conforme referendo de 2007), diminuiu expressivamente o número de abortos, e cessaram as mortes de mulheres durante o procedimento. Os dados existentes quanto ao aborto no Brasil, bem diferentes e impactantes, são acessíveis na internet.   

Também sou contra a criminalização do aborto porque atira sobre a mulher – potencialmente sobre todas as mulheres, mas particularmente sobre esta mulher, na solidão de sua dramática opção – a responsabilidade, que todos temos, de proteger a maternidade.

Mas antes de perguntar às pessoas se elas são favoráveis à descriminalização, importa perguntar se elas querem mandar, para a cadeia, as mulheres que, postas na difícil contingência de abortar, tomaram essa decisão. Porque o aborto foi criminalizado sem que nos tenham feito essa pergunta.     

VEJA TAMBÉM:

Prisioneiros da razão (06/08/2018)

Lei de Uso e Ocupação do Solo (16/07/2018)

Paixão e objetividade científica (10/07/2018)

Fora do Direito não há salvação (09/07/2018)

Memórias (05/07/2018)

O corpo das mulheres é sagrado (20/06/2018)

Moedeiros falsos (12/06/2018)

A rua do peixe, e o oceano de todos os peixes (31/05/2018)

O culto à histeria (19/05/2018)

Pensar e sentir a partir de nós (11/05/2018)

O discurso interjeicional (27/04/2018)

O juízo de exceção (19/04/2018)

O juiz natural (18/04/2018)

As falácias na sentença de Moro (16/04/2018)

O saber coletivo (13/04/2018)

Direito e razão (12/04/2018)

Um espetáculo surrealista (11/04/2018)

O silogismo de Moro (10/04/2018)

Apelo ao bom senso (09/04/2018)

Os poderes do juiz (07/04/2018)

O futuro do Brasil (05/04/2018)

A lógica da competição (31/03/2018)

O time dos perdedores (28/03/2018)

A onda jacobina 4 (27/03/2018)

A onda jacobina 3 (26/03/2018)

A onda jacobina 2 (24/03/2018)

A onda jacobina (23/03/2018)

Quem é imoral (10/01/2018)

Ligeiras considerações sobre a censura (20/11/2017)

O assassinato de JK (15/11/2017)

Brasil (05/11/2017)

O futuro na prisão (18/10/2017)

Os frutos da paz (25/09/2017)

Kafka é fichinha (22/07/2017)

Delação premiada (28/05/2017)

Fábula (25/05/2017)

Exercício (20/05/2017)

A quem aproveita (18/05/2017)

Direito e civilização(27/04/2017)

Justiça bolivariana (01/04/2017)

Sabedoria e verdade (19/03/2017)

Poesia periférica (17/12/2016 )

O juiz Moro em Heidelberg (08/12/2016 )

Momentâneo alívio (07/12/2016 )

A decisão de Marco Aurélio (06/12/2016 )

O Congresso e o judiciário (05/12/2016 )

O judiciário endoidou de vez (16/11/2016 )

A eleição de Trump (11/11/2016 )

A banalização da vida (02/11/2016 )

Estudante de 16 anos defende legitimidade de ocupações e humilha deputados (30/10/2016)

A operação Lava-jato, segundo Moro (28/10/2016 )

Intolerância à crítica (26/10/2016 )

Aparência e realidade (4) (03/10/2016 )

Aparência e realidade (3) (01/10/2016 )

Aparência e realidade (2) (29/09/2016 )

Aparência e realidade (1) (28/09/2016 )

O golpe judiciário (26/09/2016 )

A apreciação da denúncia (2) (22/09/2016 )

A apreciação da denúncia (1) (21/09/2016 )

A denúncia contra Lula (4) (19/09/2016 )

A denúncia contra Lula (3) (18/09/2016 )

A denúncia contra Lula (2) (17/09/2016 )

A denúncia contra Lula (1) (16/09/2016 )

Violência em São Paulo (05/09/2016 )

Crime e castigo (02/09/2016 )

Justiça e preconceito (31/08/2016 )

Natureza do impeachment (28/08/2016 )

Requiem para a 4ª. República (26/08/2016 )

Em petição entregue no dia 24.08.2016 no protocolo do SupremoTribunal Federal, os jornalistas José Trajano, Alípio Viana Freire e Fernando Morais, mais os acadêmicos Laymert Garcia dos Santos e Stella Maris de Freitas Senra requerem seja decretada a nulidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.
Pela sua importância, o site assume, como seu editorial, esse documento, que abaixo vai transcrito em sua íntegra.

  (25/08/2016)

Obstrução da justiça (24/08/2016 )

Delação premiada (23/08/2016 )

Jurisdição e competência: a morte do juiz natural (18/08/2016 )

Contra o pessimismo (30/07/2016 )

A caçada judicial ao ex-presidente Lula (23/07/2016)

Pequeno editorial (10/06/2016)

O circo dos aloprados (09/05/2016)

Naufrágio institucional (06/05/2016)

Criminalização da política (20/04/2016)

República das bananas (14/04/2016)

A oposição ao governo do PT (09/04/2016)

Política e história (21/03/2016)

A noite da infâmia (19/03/2016)

Objetividade e paixão (18/03/2016)

Um dia depois do outro (15/03/2016)

O parlamentarismo (13/03/2016)

Presunção de inocência (10/03/2016)

Um dia depois do outro (24/12/2015)

A ADPF 378 (15/12/2015)

O impeachment, a comissão especial  da Câmara e o STF (12/12/2015)

Justiça de mão própria (08/12/2015)

O impeachment do(a) Presidente (07/12/2015)

O equilíbrio entre os poderes e a prisão do Senador (27/11/2015)

Política não é guerra (29/03/2015)

Confissão (02/10/2014)

A desconstrução de Marina (03/10/2014)

Direitos trabalhistas (07/10/2014)

Algumas lembranças (12/10/2014)

Benvindo(a) à política (24/10/2014)

A propaganda marron (25/10/2014)

 

 

© Copyright 2012 - Sérgio Sérvulo da Cunha

Desenvolvido por LC22 Studio